Blog da Laura Peruchi – Tudo sobre Nova York
belezalifestyle

Eczema, dermatite, pele seca? Minha batalha para descobrir o que estava irritando minha pele

Começo esse post já na vibe de que: se meu depoimento puder ajudar pelo menos uma pessoa, ficarei feliz. Passei um bom tempo sofrendo com a pele muito irritada, vermelha, craquelada e coçando – mais de dois meses! – até que percebi que tinha alergia a um ingrediente que está presente em muitos produtos que usamos diariamente. Este ingrediente chama-se Methylisothiazolinone (MI) – e de acordo com minhas pesquisas na internet, tem muita gente lidando com esse problema… Neste post, vou compartilhar minha história, como descobri a alergia e como lido com isso.

Como tudo começou…

Tenho pele mista e, todo inverno, sofro com as temperaturas geladas de Nova York e, claro, com o sistema de aquecimento. O ar de dentro dos locais fica muito seco e isso muda minha rotina de cuidados com a pele todos os anos – uso muitos e muitos óleos faciais, como o de rosa mosqueta – e também comprei um umidificador enorme para garantir que o ar não fique tão seco. Isso normalmente funcionaria para a minha pele. Mas tudo meio que mudou em janeiro deste ano, depois que voltei de três semanas no Brasil. De repente, meu rosto estava irritado, vermelho e manchado. Ficava muito seco e craquelado – geralmente depois do banho. Parecia pele queimada e parecia que nenhum produto ajudava. Foi bem chato porque nem maquiagem eu podia usar pra disfarçar, já que a pele estava tão seca e a base rapidamente ficava craquelada.

Fiz muita coisa durante esses dois meses. Como uma amante de cuidados com a pele, chequei rapidamente meus produtos e percebi que poderia ser o novo retinol que estava testando. Vi alguns reviews e encontrei alguns depoimentos de pessoas com pele muito sensível e as descrições pareciam muito com o que estava acontecendo na minha pele. Bingo – pensei comigo mesmo. Parei de usar o produto e esperei pelo melhor. E isso é outra coisa confusa sobre o que eu estava passando: por alguns dias, minha pele estava boa e depois estava ruim de novo. E foi o que aconteceu. Daí, percebi que não era o retinol.

Foi preciso muita coragem para compartilhar essas fotos. Aqui dá pra ver como minha pele fica quando eu tenho uma crise.

Daí, um dia, eu estava vendo os stories de uma influenciadora de beleza que eu amo e alguém perguntou a ela sobre como lidar com a pele muito seca e escamosa. “Preciso dessa dica também!”. Ela recomendou um hidratante da First Aid Beauty, o Ultra Repair Cream Intense Hydration – e consegui uma amostra na Sephora, para experimentar antes de comprar um frasco inteiro. É um ótimo hidratante e realmente ajuda a combater o ressecamento – mas não quando você tem, na verdade, outro problema… Ela também recomendou um método chamado “Slugging” que consiste em selar a pele com um agente oclusivo, muitas vezes à base de petrolato (tipo vaselina), durante a noite. Então, eu passei em uma farmácia para pegar um tubo de Aquaphor e eu literalmente aplicava em todo o meu rosto antes de ir para a cama. Mal ajudou. E, claro, eu também usei muita a loção Eucerin – foi uma das únicas coisas que ajudaram a aliviar a sensação horrível que eu tinha quando minha pele estava pegando fogo.

Claro que nesses dois meses também usei muito o Google. Eu tinha certeza de que tinha eczema, então comprei mais e mais tubos de Eucerin. Passava também água termal, porque ajudava muito a aliviar a sensação de rosto queimando. Em algum momento, eu estava esperando o final do inverno para ver se minha pele mudaria com o clima. Sair de casa era chato e constrangedor porque eu estava sempre pegando minha bolsa para reaplicar o protetor labial e um balm para o meu rosto. Alguns dias, eu só queria chorar. Eu finalmente fiquei muito cansada e frustrada de tentar descobrir o problema sozinha e decidi consultar um médico. Acho que você deve estar se perguntando por que não fiz isso antes. Primeiro porque eu realmente pensei que poderia descobrir sozinha. Eu tenho uma amiga que sempre diz que temos que ser nossos defensores da saúde, temos que conhecer nossos corpos e é isso que eu estava tentando fazer. Em segundo lugar, não gosto do sistema de saúde americano – quem me acompanha há um tempo sabe disso. Na maioria das vezes, o sistema aqui está focado em tratar as consequências e não encontrar as causas. Além disso, ainda odeio o fato de que aqui nos EUA você nunca sabe quanto vai pagar por uma consulta médica, mesmo com seguro. Não é justo – mas isso é assunto para outro dia. Depois de finalmente deixar de lado todas os meus poréns com o sistema de saúde americano, procurei um dermatologista em Nova York. As reviews me convenceram sobre esse cara (que não vou citar aqui, porque não importa) e marquei uma consulta que depois me custou quase $300 (isso depois que meu seguro pagou uma parte) e não resolveu meu problema. Era março de 2022 e eu estava lutando há dois meses contra esse problema.

A consulta com o dermato

Claro, minha pele estava ótima no dia da consulta. Mas eu tinha um monte de fotos no meu telefone. O médico foi gentil, expliquei tudo para ele e a consulta durou em torno de 15 minutos. Segundo ele, o diagnóstico era dermatite. Ele disse que, por algum motivo desconhecido, era muito comum ocorrer em pessoas que viajavam de um lugar quente (Brasil) para um lugar frio (?). Ele me disse que eu não deveria me preocupar e então ele me receitou uma loção, Desonide – que acabou me custando uns 60 dólares extras. Ele também me disse que eu não deveria usar a tal loção por mais de duas semanas e que eu deveria voltar se minha pele não melhorasse – e então ele pediria um teste de alergia – algo que ele não considerou em primeira mão porque “você sabe, você vai ter que lidar com seu seguro de saúde, aquele coisa”; talvez agora vocês entendam quando eu digo que o sistema de saúde aqui não está focado em investigar a raiz dos problemas, certo?

Voltei para casa feliz e comecei a usar a loção imediatamente – e essas duas semanas foram as melhores semanas que minha pele teve desde que comecei a ter esses problemas. Mas, como vocês podem imaginar, tudo voltou a ser como era antes quando parei de usar o produto – e não era um produto para ser usado a longo prazo. Eu estava quase marcando outra visita ao dermatologista quando Thiago viu um tópico no Twitter e me mostrou – “parece que esse cara tem o mesmo problema que tu, olha isso”. Naquela hora, não sabíamos, mas esse foi o momento eureka dessa história.

Descobrindo minha alergia a Methylisothiazolinone

O tópico no Twitter foi escrito por Will Hayward. Em muitos tweets, ele compartilhou sua jornada tentando descobrir o seu problema de pele – tudo o que ele viveu parecia exatamente com os problemas que eu estava tendo com minha pele. A diferença é que ele lidou com isso por 10 anos – 10 anos! Will acabou fazendo um teste de alergia e foi assim que descobriu que era alérgico a Methylisothiazolinone. Nestes tópicos, ele explicou que é um conservante usado em uma enorme variedade de produtos, incluindo sabonetes, géis de banho, xampus e protetores solares.

Aquilo definitivamente chamou minha atenção. Corri para o banheiro e chequei meu xampu, o Pantene Pro-V Sheer Volume. BINGO! A Methylisothiazolinone estava listada como um dos ingredientes. E então, tudo começou a fazer sentido. As piores crises que eu tive sempre começavam depois de lavar o cabelo. Eu tinha comprado aquele xampu depois de voltar do Brasil, e fui alternando com outro xampu que eu tinha – que não continha o conservante. Isso poderia explicar por que minha pele estava boa em alguns dias – nos dias em que lavava o cabelo com o outro xampu – e em outros dias era tão miserável – nos dias em que usava Pantene.

Eu sei que obviamente poderia ser apenas uma coincidência. Mas, é claro, comecei a me aprofundar. A Methylisothiazolinone é um produto químico usado em produtos para cuidados com a pele, produtos de limpeza domésticos e produtos industriais como conservante. É frequentemente usado em produtos de cuidados com a pele e cosméticos como xampu, tintura de cabelo, alvejante, protetor solar, lenços umedecidos, delineador, blush, pó facial, removedor de maquiagem, esmalte, produtos de depilação, sabonetes, sabonete e xampu, além de produtos domésticos como sabão em pó, sabão para lava-louças, amaciante de roupas, produtos de limpeza e muito mais. De acordo com um artigo do site do Centro de Pesquisa e Educação em Dermatologia Ocupacional:

“Methylisothiazolinone (MI) tem sido usada em uma variedade de produtos cosméticos e pessoais, incluindo lenços umedecidos descartáveis, xampus, condicionadores, sabonetes líquidos, hidratantes, protetores solares e desodorantes, bem como em tintas […] desde no início dos anos 2000. As doutoras Jennifer Cahill e Rosemary Nixon, dermatologistas do Skin Health Institute (anteriormente Skin and Cancer Foundation Inc), incluíram MI em sua série de testes de contato para alergias desde 2011, após relatos europeus de números crescentes de casos de Alergia de contato MI. ‘Nossa taxa atual de reações de teste positivas para MI até novembro de 2013 é de 11,3% (40 pacientes que tiveram reações relevantes de um total de 353), em comparação com uma taxa de 3,5% (15/428) em 2011 e 8,4% (38/454) em 2012’, escreveu o Dr. Cahill. O MI é agora a causa mais comum de dermatite de contato alérgica em nossa população de pacientes.”

Encontrei muitos artigos sobre Methylisothiazolinone e até sites listando produtos sem Methylisothiazolinone e, claro, parei de usar o shampoo imediatamente e decidi esperar para ver como minha pele reagiria. Eu estava muito esperançosa! E eu estava certa sobre o meu palpite. Sou alérgica a Methylisothiazolinone. Depois de parar esse xampu, minha pele melhorou – até que tive outros dois episódios e se eu tinha alguma dúvida sobre minha alergia, agora tenho certeza que tenho que me manter longe de produtos com Methylisothiazolinone.

Lidando com minha alergia à Methylisothiazolinone

Devo confessar: antes de saber dessa alergia, nunca me preocupei muito com esse movimento “totalmente natural” de cosméticos e produtos de limpeza. Agora, depois de lidar com muitas crises dolorosas relacionadas à minha pele, resolvi prestar mais atenção. Mas acho que em algum momento, pensei que jogar o xampu fora seria o fim dos meus problemas. Infelizmente, eu estava errada, claro. Eu tive dois outros episódios graves depois de descobrir sobre esse ingrediente. A primeira foi depois de usar um limpador multiuso no chão de casa. Demorei um pouco para descobrir – honestamente, quando minha pele começou a ficar daquele jeito de novo, eu fiquei tipo: o que tá acontecendo? Eu estava pensando em cada produto que estava usando (nada novo!) e em toda a comida que tinha comido até me lembrar do novo produto de limpeza de piso. Só para vocês saberem, o rótulo não continha os ingredientes e não consegui encontrá-los online, mas sabendo que a Methylisothiazolinone é usada em produtos de limpeza, tive certeza de que era o caso. Então, pedi ao Thiago que jogasse o produto fora e fizemos questão de limpar todo o piso novamente com água, para retirar qualquer resquício do produto do piso. A pele melhorou.

Então, percebi que não podia mais comprar produtos de limpeza aleatórios. Eu tinha que verificar antes. Então, decidi navegar na Amazon e, para minha surpresa, muitas marcas limpas usam esse conservante. Finalmente encontrei um que é bom para não só pra mim, mas também seguro para animais de estimação e, honestamente, não tenho intenção de mudar tão cedo.

E não muito tempo depois, percebi que agora tenho que me preocupar com sabonetes, xampus e produtos de limpeza quando viajo. Sim, você adivinhou. Tive outra crise de alergia. Foi recentemente quando decidimos passar um fim de semana prolongado no norte do estado. Alugamos um Airbnb e quando chegamos lá, tive que lavar o car seat do nosso cachorro e usei um detergente que encontrei embaixo da pia. No dia seguinte, comecei a sentir a queimadura e o ressecamento na minha pele. Então, verifiquei o rótulo: Methylisothiazolinone. Eu também chequei outros rótulos, como o sabonete para as mãos do banheiro, mas aparentemente eles estavam limpos do ingrediente. O que era estranho, porque minha pele não estava melhorando – e esse Airbnb ficava a 40 minutos da farmácia mais próxima, o que piorava tudo… E quando finalmente fomos à cidade mais próxima, esqueci completamente que tinha que comprar um Advil (antiinflamatório) – e não Allegra – para ajudar a aliviar os sintomas. Foi uma das piores crises alérgicas que tive. Além de estar vermelho, coçando e seco, meu rosto também ficou muito inchado. Acabei conseguindo comprar um Advil no caminho para casa – e ajudou com os sintomas. Honestamente, eu estava bem desesperada de dor e incômodo. E precisei de muita pesquisa na internet para descobrir que o sabonete no banheiro – do Dr. Meyers – tem Methylisothiazolinone. Porém, não estava no rótulo.

Depois desse episódio, eu decidi tomar algumas atitudes:

  • Vou começar a ter na bolsa o meu próprio sabonete de mãos;
  • Nunca mais viajo sem Advil na bolsa – ajuda demais com os sintomas em caso de uma reação;
  • Não vou mais comprar produto de limpeza  – nem xampu – sem checar os rótulos.

E aqui são os produtos que me ajudam quando tenho uma crise:

UPDATE: depois deste post, uma seguidora me recomendou o app Yuka para checar se um cosmético é seguro e limpo – e, após a consulta, decidi eliminar o Aquaphor e Eucerin da minha rotina. 

  • Aquaphor – que é basicamente vaselina, é a única coisa que ajuda a acalmar meus lábios – eles ficam muito secos quando tenho uma crise de alergia.
  • Eucerion Lotion – ajuda a hidratar a minha pele, que fica muito seca, e também acalma a pele.
  • Avene Thermal Water -alivia a sensação de queimação e ajuda a acalmar a pele também.
  • Trilogy Rosehip oil – minha pele acaba pedindo por mais hidratação e esse óleo ajuda demais!
Assim é a minha pele hoje. Eu não tiro muitas selfies, hehe, mas minha pele agora é uma pele saudável.

Conclusão

Eu não sei nem descrever a felicidade de o Thiago ter visto esse tópico no Twitter (ele nem segue o cara!). Sim, eu sei que em algum momento, eu sabia que o xampu terminaria e então o problema desapareceria – até que eu tivesse contato com o ingrediente novamente e teria outra reação. Ou talvez eu voltasse ao médico e ele finalmente solicitasse um teste de alergia – que eu sei que é algo não muito confortável. No final das contas, foi realmente horrível ter essas duas crises, mas elas foram diferentes porque eu senti que estava no controle, sabia o que fazer e como descobrir o que estava causando a reação. Eu definitivamente concordo com a minha amiga: temos que ser os defensores da nossa saúde. Temos que prestar atenção aos nossos corpos e nos preocupar com nossos corpos.

Você já ouviu falar de alergias à Methylisothiazolinone?


Leave a Response