estudar

Diário de intercâmbio em Nova York: NY Language Center

Há pouco mais de dois anos, eu fiz uma série de posts sobre estudar inglês em Nova York, com depoimentos de várias meninas que passaram um tempo aperfeiçoando o idioma aqui na cidade, em escolas diferentes – para conferir todos os posts, é só explorar o menu “estudar” aqui no blog. Há algumas semanas, o Ricardo Abreu, leitor do blog, falou comigo para contar um pouco da experiência dele. Apesar da escola onde ele estudou já ter aparecido aqui, achei que o relato seria válido pelo fato de a unidade ser fora de Manhattan. Espero que gostem de conferir a experiência dele!

“Tudo que será dito aqui, é baseado em minha opinião e experiência, pode não abranger a todos, mas é algo que eu gostaria de ter lido antes de tomar qualquer decisão. Meu sonho, assim como o de muitos, sempre foi conhecer Nova York. Após minha breve viagem de uma semana em setembro de 2015, eu decidi que voltaria com mais tempo para aproveitar tudo e, se possível, estudar inglês. A primeira coisa que fiz foi me programar com relação a dinheiro, afinal é o fator chave de tudo. Como decidi que guardaria uma quantia do meu salário mensalmente, já tinha uma ideia de que, dado a quantia, eu poderia viajar em 2 anos. Tendo isso em mente, eu sabia que teria dois anos para avaliar escolas, moradias, valores de comida, o que levar, o que não levar e tudo que envolve uma viagem. Vocês acham que eu fiz isso? Não exatamente…

Duração do intercâmbio – 4 semanas  (meu nível de inglês já era avançado)

Carga horária de estudo – 4 horas por dia, de segunda a quinta. 3 horas de gramática e 1 hora de fluência.

Como você decidi a escola – após um ano guardando dinheiro, decidi que estava na hora de buscar a escola. Então, de cara, procurei as mais conhecidas, como Kaplan, EF, entre outras. Logo percebi que não conseguiria – com o meu orçamento seria impossível – e quase desisti. Então uma amiga me indicou uma consultoria aqui no Brasil que poderia me ajudar. Depois de algum tempo e muita conversa, a consultora me apresentou a New York Language Center. A escola tem franquias em Manhattan e Queens, sendo que no Queens o valor seria entre $300 a $500 dólares mais barato. Então optei por ficar no Queens.

Moradia: Homestay (Casa de Família), Apartamento ou Airbnb? O pacote da consultoria contemplava todos os aspectos e eu, como buscava por algo em conta, mas prezava por não ter dor de cabeça, decidi que ficaria em um apartamento. A consultoria me disse que o apartamento seria próximo à escola e que um mês antes do embarque me mandaria tudo que eu precisaria e faria uma consultoria pré-embarque comigo.

Seguro Viagem – O seguro também estava incluso no pacote com a consultoria e apesar de não ser obrigatório, é de EXTREMA importância. Clique aqui e confira o desconto exclusivo na aba DESCONTOS para contratação de seguro. 

Passagem – Fiquei praticamente seis meses entrando em todos os sites imagináveis em busca da passagem perfeita, pois eu gostaria de um vôo direto, sem escalas. Encontrei? Não, mas a busca gera muito conhecimento e, claro, ajuda muito na hora de escolher.

Consultoria pré-embarque – Chegou o dia em que a consultoria me enviou todos os papéis para assinar, fotos do apartamento, localização e então ajustarmos os últimos detalhes. Quando vi a localização do apartamento, meu sonho pareceu desmoronar. O apartamento ficava em Maspeth, uma região do Queens sem linhas de metrô próximas e eu levaria 40 minutos de ônibus para chegar na escola. Logo tratei de me certificar dessa informação, pois não foi o combinado, afinal a consultoria me deixou ciente de que eu ficaria próximo à escola. Eles me disseram que aquele era o apartamento mais próximo da escola, mas que eles não tinham como interferir, pois quem decidia isso era a escola e não eles. Após muita conversa, idas e vindas de emails, Whatsapp, ligações e até cogitar desistir, eles conseguiram me colocar em uma casa de família a 10 minutos a pé da escola. Era o que queria? Não, mas eu não queria fazer meu sonho virar um pesadelo, então aceitei. Por que eu estou dando essa informação? Pelo simples fato de que não quero que você cometa o mesmo erro. Não assine nada, não pague nada sem ter TODAS as informações em suas mãos previamente.

Preparativos – Assim como vocês, passei dias e dias no Youtube, lendo blogs, vendo páginas, anotando tudo que eu queria fazer, ver, comer… Encontrei o canal da Laura, por consequência o blog e a página no Facebook. Toda informação é bem-vinda e ajuda muito. Como eu havia passado dois anos me preparando para isso e claro, já havia estado em NY, eu já tinha uma boa ideia do que me esperava. Guardar dinheiro, planejar e buscar informações foi FUNDAMENTAL para meu intercâmbio ser um sucesso. Levei apenas uma mala de mão, pois minha ideia era renovar meu guarda-roupa lá, rsrs. Separei todos os meus documentos, passaporte, carta da escola e fui.

Imigração – Sim, a tão temida, imigração. Não preciso nem resumir, pois foi muito tranquilo e rápido. Fiquei 5 minutos em uma fila e o agente me perguntou qual era o intuito da minha viagem e quanto tempo pretendia ficar, respondi e pronto, entrei! Confira dicas para encarar a imigração com tranquilidade.

Chegando na Homestay – Na noite anterior, antes de embarcar, enviei um e-mail a eles dizendo que estaria embarcando em breve e que gostaria de deixá-los cientes de que estaria lá no outro dia pela manhã. Claro, passei por vários perrengues entre o aeroporto e meu destino, pois decidi ir de metrô sozinho. Eu me perdi, algumas linhas de metrô não estavam funcionando, conheci quase a cidade inteira de tanto pedir informações… Mais uma dica pra você: não tenha medo, as pessoas, no geral, são extremamente educadas e querem te ajudar. Cheguei na casa e era uma família de indianos que moram em NY há mais de 30 anos e há muitos anos recebem estudantes de todas as partes do mundo na casa deles. Uma casa de três andares, sete quartos, três banheiros… Eles me mostraram tudo, e também me informaram as regras e então fui paro meu quarto. Confira um vídeo sobre como sair do aeroporto usando o Airtrain + metrô.

Dica: Mantenha contato com a família antes de embarcar, isso vai te deixar mais seguro. Tenha em mãos endereço, telefone, e-mail. Procure o endereço no Google Maps antes, Vejam o Street View: isso tudo ajuda muito.

Primeiro dia de aula – Cheguei na escola no horário combinado, pois teria que fazer o teste de nivelamento. A atendente parecia ter muita pressa. Não fez questão de ser educada, tampouco receptiva. Ela me deu vários papéis para ler, preencher e assinar. Falou tudo de forma rápida e, quando eu perguntava algo, ela me respondia de maneira grosseira respirando fundo. Depois, ela me levou para um sala e me deu a prova, explicou, mais uma vez, de maneira rápida, e saiu. Após essa calorosa recepção, entreguei minha prova a ela, que me pediu que esperasse sentado em um banco. Para que? Não sei, ela também não me disse. Após alguns minutos, fui encaminhado para uma outra sala, com uma pessoa que havia corrigido minha prova e que falaria comigo em inglês, para um teste de speaking. Essa outra pessoa foi muito mais educada e gentil. Após avaliado e sabendo meu nível, fui encaminhado à sala de aula. Chegando lá, a aula já havia começado, a professora pediu que eu me sentasse e continuou a aula dela e mesmo depois não me pareceu interessada em pedir que eu me apresentasse. Péssimo primeiro dia. No segundo dia, eu já estava mais habituado, já havia conhecido duas pessoas da sala que me ajudaram, as pessoas estavam com um humor melhor e tudo fluiu.

Professores – A professora de gramática foi fantástica, dominava o assunto, era inteligente e ensinava muito bem. O professor de fluência deixou muito a desejar quanto à proposta das aulas, eram chatas e nada proveitosas, mas ele era uma ótima pessoa.

A escola – Muito bem localizada, próxima a vários restaurantes como Mc Donalds, Subway, Dunkin Donuts, Taco Bell, restaurantes Brasileiros e muitas lojas. O atendimento não é dos melhores, os atendentes falam muito em Espanhol dentro da escola. Salas pequenas e algumas muito mal localizadas dentro do prédio. Quando requisitei meu certificado, faltando 3 dias para acabar minhas aulas, me disseram que eu deveria ter feito o requerimento com uma semana de antecedência, mas ninguém me avisou que precisaria, por fim, deram um jeito e me entregaram. Muitos alunos da sala deveriam estar em níveis anteriores, mas estavam no último nível. Resumindo: eles não me passaram informações corretamente e por vezes foram mal educados. Não recomendo a escola do Queens.

Intercâmbio de 4 semanas compensa? Depende. Explico: eu acho que 4 horas por dia, 16 dias de aula, é pouco dentro do que eu vivi. Uma sala com até 15 alunos, muitos deles com dúvidas e dificuldades que não deveriam ter no nível que estavam, fizeram o aproveitamento não ser como eu esperava. Para deixar claro, dos 16 dias eu faltei apenas um. Se você tem condições, creio que, para o nível avançado, três meses seria o ideal. Se você, como eu, trabalha e só pode ficar nas férias, faz uma forcinha, junte um pouco mais de dinheiro e pague por cursos intensivos. Mas se está nas mesmas condições que eu, vai deixar de fazer? NÃO! A experiência de intercâmbio não é apenas a sala de aula. Claro, isso conta muito, mas se você se comprometer a estar sempre em contato com a língua, falando com todos sempre em inglês, vale a pena e ajuda muito. Você vai fazer muitos amigos, conhecer pessoas do mundo todo, então, não tenha medo: você sonhou com isso, aproveite muito.

Estudar e ficar no Queens – Como estar fora de Manhattan é mais barato, claro, compensa muito, assim você enconomiza e pode gastar com outras coisas. Em questão de localização, Jackson Heights, que foi o bairro que em que estudei e fiquei, está a mais ou menos 30 minutos de metrô da Times Square. Tem muitas linhas de metrô e ônibus, tem menos turistas e você encontra, se não todas, a maioria das grandes lojas de departamento que existem em Manhattan e muitas vezes com preços menores, por não ser tão rota de turistas. O Queens oferece vários tipos de restaurantes, parques, lojas e pode ser uma boa opção para quem vai ter mais tempo na cidade e não precisa estar tão próximo de Manhattan e não gastar muito tempo com metrô.

Casa de família – Muitos têm medo de optar por ficar em casa de família, assim como eu tinha, pois sabemos que temos que nos adaptar às regras da casa. No meu caso, foi extremamente prazerosa a experiência. A família foi super cuidadosa, gentil e atenciosa. Não existiam regras de horários. Contanto que eu avisasse que chegaria mais tarde, eu poderia sair e voltar a hora que eu quisesse. Além disso, eu tinha contato com o inglês ao me comunicar com eles.

Considerações finais – Se você tem um sonho de fazer intercambio, não deixe que nada e nem ninguém te impeça de realizá-lo. Por outro lado, tenha tudo muito bem planejado e não seja imediatista. Se você precisa de mais tempo, então respire e espere um pouco: melhor que demore um pouco mais, mas que seja como você sonhou, do que seja amanh e te deixe com muitas dores de cabeça… Busque muitas informações, fale com pessoas e o mais importante: viva cada momento, desde guardar seu dinheiro mês a mês, até o dia do embarque.”

Ricardo, obrigada pela contribuição! Tenho certeza que o seu relato vai ajudar muita gente!

Você quer participar do Diário de intercâmbio? Envie seu relato para análise com FOTOS: laura@lauraperuchi.com e siga os tópicos do post (você pode acrescentar mais tópicos caso ache necessário!)


1 comentário

  1. Estarei indo estudar na NYLC em outubro/2018. Estudarei em Upper West Side, mas irei morar em apartamento de estudantes no Queens. O que você achou das pessoas do Queens? São gentis?

Leave a Response