Blog da Laura Peruchi – Tudo sobre Nova York
serviçosturismo

Airbnb em Nova York: dicas e relatos de quem já usou o serviço – parte 1

Se você é uma pessoa que costuma viajar, provavelmente já ouviu falar do Airbnb. Airbnb é um serviço online comunitário para as pessoas anunciarem, descobrirem e reservarem acomodações – que podem ser desde quartos a apartamentos ou casas. Para ficar mais claro: faça de conta que na Páscoa eu vou para o Brasil passar duas semanas. Neste tempo, disponibilizo meu apartamento no Airbnb para quem estiver de viagem marcada para Nova York e procura hospedagem. Deu pra entender o espírito da coisa? O Airbnb nada mais é que um grande portal de classificados para hospedagem no mundo todo (são 190 países!). Por meio de fotos, descrições e, o mais importante, as avaliações reais dos usuários, você consegue ter uma noção da acomodação para ajudar na sua decisão.

Confira os quartos e apartamentos anunciados aqui no blog!

Qual é a grande vantagem do Airbnb? Dependendo do local, o valor da diária é muito mais barato que um hotel. Porém, há quem ainda se sinta inseguro para bater o martelo e fechar algo pelo Airbnb… Eu já tive essa experiência ano passado, quando viajamos para uma região da Pennsylvania para esquiar. Alugamos uma casa em turma pelo Airbnb e nossa experiência foi ótima. Mas como nem fui eu quem teve todo o trabalho de pesquisa e coisa e tal, nem conta muito, né? Por isso, lancei o convite lá no nosso grupo do Facebook e trago hoje os depoimentos de vários brasileiros que já usaram o serviço aqui em Nova York e em outras partes do mundo. As experiências e dicas deles vão ajudar você a se sentir mais seguro a fechar uma hospedagem com o Airbnb. Como recebi muitos depoimentos, vou dividir o post em duas partes! Há depoimentos mais curtos e outros bem detalhados, mas todos contam com alguma dica que vai te ajudar!

Bruno Brown, Rio de Janeiro – RJ – Viajou uma vez para Nova York e usou o Airbnb pela primeira vez na cidade. 

“Alugar um quarto ou apartamento pelo Airbnb faz você se sentir fazendo mais parte da cidade, além de ter uma liberdade maior e até gastar menos com alimentação, fazendo e comprando algumas coisas que, dependendo do quarto de hotel, não teria como armazenar. Além disso, o custo-beneficio é melhor. Minha dica é: leia TODOS os comentários dos hóspedes, use o Google Maps para ver como é a região e procure os anfitriões melhor cotados.”

Fernando Barbosa – Campinas – SP – Viajou uma vez para Nova York, mas não foi sua primeira experiência com o Airbnb.

“Já utilizei Airbnb outras vezes – em agosto do ano passado fiquei uma semana no Chile e acabei tendo um problema com o host do apartamento. Fiz a locação pelo site, todos os procedimentos corretos, só que não prestei atenção nas recomendações e classificações. Cheguei no prédio por volta das 3 da manhã. O porteiro que iria me receber não estava lá e o porteiro atual não sabia de nada, e ainda me informou que o dono (o host que me alugou) estava devendo o valor do estacionamento. Não consegui entrar no prédio, peguei um táxi e fiquei com meu amigo em uma loja de conveniência de posto de combustível até o dia clarear. Quando conseguimos acesso à internet alugamos um apartamento pelo booking. Meu problema foi a má fé do host, porém, quando entrei em contato com o Airbnb eles foram totalmente solícitos em me ajudar, mostrando-se preocupados em saber se eu havia conseguido outra hospedagem e me devolveram todo o valor que eu havia pago (R$1000) e ainda me deixaram com um voucher de U$50 para a próxima hospedagem.

Falando em hospedagem, normalmente prefiro alugar um apartamento inteiro, por comodidade e privacidade. Em Nova York, como os valores de temporada são altos (e o real desvalorizado), não pude me dar ao luxo. A moça que me locou o quarto mora na moradia da Columbia University e divide o local com outras 3 meninas. Na ocasião, ela havia voltado para passar férias em seu país (Argentina), e suas colegas também estavam fora. Portanto, fiquei cerca de 8 dias (dos 13 que aluguei) com o apartamento inteiro pra mim. Durante os dias seguintes, chegou uma outra locatária, com a qual não tive problema algum. O apartamento estava exatamente como nas fotos, e eu me senti completamente acolhido e em casa. Além disso, a host me permitiu utilizar todo o apartamento, incluindo cozinha e lavanderia, ambos totalmente equipados. Enfim, achei a experiência impecável.

Para mim, quatro pontos são essenciais na hora de alugar pelo Airbnb. Primeiro, PESQUISAR: defina sua opção de hospedagem (tem gente que não gosta de ficar em hostel), hotéis, hostels, albergues, e o próprio Airbnb…faça muitas pesquisas com um intervalo de tempo considerável antes da sua viagem e por vários dias, uma vez que os preços podem variar. Segundo, AVALIAR: veja quais as notas/estrelas que o host tem no site, o que as pessoas falam dele, leia toda a descrição do que tem/não tem, pode/não pode, veja a localização e pesquise sobre transporte e segurança, enfim, dedique um tempo a tirar todas as suas dúvidas. Terceiro, COMUNICAÇÃO: fale com o host/anfitrião, pergunte mil vezes até tirar todas as suas dúvidas, não deixe passar nada em branco. Se preferir, faça uma lista com tudo que seu apto precisa ter (wifi, cozinha equipada, geladeira, etc). Quanto mais você falar com o host, mais próxima fica sua relação com ele/ela, assim você já vê suas afinidades com ele. Pense como um relacionamento, mesmo o host não estando no local, a casa dele será sua por alguns dias, então é preciso estar num lugar em que haja “química” entre vcs. Por último: CONFIE NOS SEUS INSTINTOS (E NO AIRBNB), seja desconfiado, muitos hosts com quem conversei queriam que eu pagasse através do PayPal ao invés de usar o Airbnb, uma vez que o Airbnb tem suas taxas…sabe qual a garantia que eu seria se fizesse “por fora”? NENHUMA, por isso, confie nos seus instintos, e se não gostar de alguma coisa, pergunte, tire suas dúvidas, e em último caso procure outro lugar…não deixe o barato sair caro.”

Elisa Becker – New York – NY – viajou três vezes para Nova York e atualmente mora aqui. Sempre usou o Airbnb, mas teve problemas uma vez em Nova York. Blog / Instagram @adaughteroftheworld

“Sempre tive experiências boas com o Airbnb. Por incrível que pareça, a única vez que eu tive problema foi em Nova York. Eu e minha amiga alugamos um quarto perto da Times Square que era chamado de “Luxury”. Vendo as fotos e o preçoU$89 vimos que valia muito a pena e alugamos. A suposta “menina” um dia antes nos avisou que não estaria e que uma amiga iria entregar as chaves. Até aí ok. Chegamos lá, as chaves estavam na recepção. Quando entramos no apartamento o local fedia a comida podre, tinha um quarto cheio de homem gritando e ninguém para nos receber. Ficamos um pouco chocadas. Começamos a chamar e veio um homem de cueca do nosso “suposto” quarto”, que não tinha nem porta. Ele nos recebeu de cueca com cara de que recém tinha acordado e ainda nos perguntou:”mas já?”. Quando ele disse que aquele era o nosso quarto perguntamos onde dormiríamos e ele apontou para a cama que ele estava dormindo. Então dissemos: mas você estava dormindo ali. Ele sorriu e disse: “don’t worry”. Colchão no chão, “quarto” todo sujo, mesmos lençóis, cozinha imunda. Ficamos com medo até de ficar ali, ainda tendo mais um monte de caras no quarto ao lado. O “Luxury” virou um lixo. Saímos de lá naquele instante e ligamos para o Airbnb. Ficamos mais ou menos 2 horas em contato com eles. Mandamos fotos de tudo e depois de explicar direitinho o que tinha acontecido, eles nos devolveram o dinheiro e ainda deram $25 de cupom para usar na próxima vez. Foi um susto, mas tudo foi resolvido. Já usei o Airbnb tanto no Estados Unidos como na Europa e Brasil e indico a todos. Prefiro alugar quarto do que apartmento, porque sai mais em conta e, para mim, a vantagem é não somente o preço, mas o lado social: dá pra conhecer muitas pessoas pelo mundo. Minha dica é: entre em contato com o host, compare as informações com as fotos, pergunte sempre sobre o banheiro e também se há atrações perto se for uma cidade que você não conhece muito. Não sei se o Airbnb vale muito a pena em Nova York – eu usei o YMCA, que é tipo um clube, com muitos quartos por andar e banheiro é compartilhado (mas sempre super limpo).”

Alessandro Lavinas – Juiz de Fora – MG – viajou cinco vezes para Nova York: usou o Airbnb em três delas. 

“Minha experiência com Airbnb foi a melhor possível! Meus anfitriões foram sempre muito gentis e, como o site é muito sério, tudo aquilo que foi prometido foi cumprido. Também usei o serviçona Philadelphia e em Boston. Nessas viagens, ou fui sozinho ou com apenas mais uma pessoa, então aluguei quartos. Notei que nessas duas cidades os anfitriões foram mais próximos e mais solícitos. Para mim, são basicamente duas vantagens de alugar algo pelo Airbnb: o preço (geralmente mais barato) e a oportunidade de conhecer pessoas locais. O único contratempo que tive foi na Philadelphia. Uma semana antes de embarcar para os EUA recebi um comunicado do site dizendo que minha reserva havia sido cancelada – as anfitriãs alegaram problemas familiares. O site me deu duas opções: meu dinheiro de volta ou créditos para uma nova reserva – preferi a primeira opção. Escolhi um novo local, reservei, paguei, e no dia seguinte, o dinheiro referente ao primeiro pagamento havia sido estornado no meu cartão. Se você quiser usar o serviço, é preciso escolher muito bem o local (o site oferece um guia de bairros bem legal), ler as informações e, principalmente, as avaliações dos hóspedes. Existem alguns detalhes que você pode filtrar, como, internet, tv, ar condicionado. Preste atenção, principalmente em Nova York, se o apartamento não fica lá no quinto andar de um prédio sem elevador – já aconteceu comigo, mas fui eu que não prestei atenção à descrição do local. Para quem tem malas pesadas ou está viajando com crianças, isso pode acabar com a viagem. Ah, e cheque se o local está perto do metrô! A dica extra é pesquisar muito! Além do Airbnb, sempre pesquiso no booking.com​. Em julho, por exemplo achei um hotel ao lado Central Park por um preço muito melhor do que estava vendo no Airbnb. Então, nem sempre é garantia de bom preço. E uma última coisa, procure com antecedência de pelo menos uns 6 meses e achará muito coisa boa!”

Cileia Prebianca – Florianópolis – SC – Viajou uma vez para Nova York e usou o Airbnb pela primeira vez na cidade. 

“Para mim, a maior vantagem de alugar pelo Airbnb é o preço. Levando em consideração a variação cambial, e o fato de preparar refeições, foi uma forma de reduzir custos e poder aproveitar em outros passeios. Eu fiquei em um apartamento e, em minha pesquisa, procurei pela localização: fiquei na 47 entre as 7 e 8 Av. O apartamento era muito bom e bem equipado, porém, achei a limpeza bem ruim. Pelo menos com que sou acostumada, a limpeza é apenas superficial – atrás dos móveis e dentro do armário era um horror. Como se diz aqui no sul: limpa-se apenas onde passa a procissão. Como não fui a nenhum supermercado grande, comprei muitas frutas nas bancas de esquina, era uma alternativa de ter lanches mais saudaveis à disposição.”

Daniele Fátima – São Paulo – SP – Viajou uma vez para Nova York mas já tinha usado o Airbnb antes. 

“Gosto bastante do Airbnb. Já tinha usado o serviço antes em Berlim, em 2014. Prefiro alugar um apartamento inteiro do que um quarto. Para mim, as vantagens são o preço, o conforto e a privacidade. Minha dica é: pesquise bastante a região – eu sempre verifico a região no Google Maps –  e o host, lendo os comentários. Dê preferência a anúncios que tragam muitas informações sobre o imóvel e fotos. E faça muitas perguntas ao host antes de fechar a reserva.”

Gostaram do post? Semana que vem publico a parte 2! Queria deixar registrado aqui meu agradecimento especial aos participantes do post!

Se você nunca usou o Airbnb, clique aqui e ganhe U$40 em créditos. Ao clicar no link, você receberá um crédito que será aplicado automaticamente à sua primeira reserva. O crédito aparecerá automaticamente na página de checkout de qualquer reserva válida. 


Leave a Response