Blog da Laura Peruchi – Tudo sobre Nova York
lifestyle

Alugando apartamento e mudando em Nova York: o que você precisa saber

Se você me acompanha no Instagram – vai lá agora, vai @laura_peruchi – viu que eu mudei de apartamento há alguns dias. Acabei mostrando um pouco sobre a mudança lá nos meus stories, que estão inclusive fixados nos highlights (aproveita para assistir logo, porque não sei até quando eu deixarei esse conteúdo lá). Falei bastante sobre o assunto antes de mudar também e como sei que muita gente que me acompanha mora em Nova York, eu decidi fazer esse post para compartilhar vários insights, dicas e conselhos. Essa foi a nossa terceira mudança em Nova York. A primeira foi quando chegamos e ficamos em um apartamento temporário e mudamos para o nosso. A segunda aconteceu há quatro anos. E a terceira foi agora. Antes disso, no Brasil, eu já tinha me mudado sete vezes. Digamos que eu entendo um pouco de mudanças e mudar-se em Nova York pode ser uma experiência bem estressante. No fim das contas, essa mudança em si foi mais tranquila do que imaginei e, por isso, decidi escrever esse guia. Vou dividir o post em tópicos!

Por que decidimos mudar?

Fazia quatro anos que estávamos morando no nosso antigo apartamento, no Upper East Side. Foi o bairro que sempre moramos desde que viemos para Nova York. Nosso prédio era um pre-war, antigo, desses com as escadinhas na parte de fora, aquele cenário charmoso típico de Nova York. Tínhamos dois quartos em um espaço de 900 sq feet, aproximadamente 84 metros quadrados. Um espaço generoso quando falamos de Nova York. O prédio não tinha elevador, nem lavanderia – coisas que tínhamos no anterior e abrimos mão para ter mais espaço. Essas coisas que faltavam não eram problema no começo, mas, com o passar dos anos, começaram a incomodar. Além disso, o segundo quarto, que seria para eu trabalhar de casa, não tinha iluminação natural, o que acabou pesando muito no decorrer do tempo. Ano passado, até ensaiamos mudar, mas depois de pesar tudo, resolvemos ficar mais um ano no apartamento. Dessa vez, batemos o martelo: mudaríamos MESMO.

A busca pelo apartamento e a mudança de bairro

Nós mudamos para o Harlem, um bairro que está se desenvolvendo. Nossa ideia inicial não era “subir” mais em Manhattan e sim ficar no Upper East Side. Mas foi no Harlem que encontramos apartamentos maravilhosos, em prédios novos, com tudo que buscávamos – e por preços muito melhores. Aliás, fica a minha primeira dica: fazer uma lista de coisas que você não abre mão é essencial. No nosso caso, o que buscávamos era: espaço (dois quartos), luminosidade, lavanderia (no prédio ou no apartamento), elevador e proximidade com metrô. Tendo bem definido quais são as características que você não abre mão, fica mais fácil não cair de amores por um apartamento com vista maravilhosa – mas só um quarto. Voltando ao Harlem, nós conversamos com duas amigas que moram/moraram no bairro para saber o que elas achavam e o depoimento delas foi o que nos fez considerar a área. Poderíamos gastar mais e ficar no Upper East Side? Poderíamos, com certeza. Mas, estamos pensando bastante sobre a possibilidade de adquirir algo em dois ou três anos, e preferimos deixar para gastar o dinheiro com isso – e não com um aluguel mais alto agora.

Mudar de bairro em Nova York é quase como mudar de cidade. Cada região tem sua peculiaridade, suas características e você tem que se habituar com tudo novamente: mercado, farmácia, academia, nova linha de metrô. Nosso exercício foi focar no que iríamos ganhar e não no que iríamos perder. Quando a gente aluga, a não ser que tenha um orçamento infinito, acabamos abrindo mão de algumas coisas para ter outras.

Como encontrar um apartamento em Nova York?

Eu já fiz um post aqui no blog dando algumas dicas sobre aluguel de apartamento em Nova York. Há muitas coisas para serem levadas em conta, mas basicamente é o seu credit score e a sua renda que vão determinar o que você pode alugar. Nós já sabíamos como as coisas funcionavam aqui: primeiro, não adianta procurar muito tempo antes, pois os contratos são sempre para o dia 1 ou dia 15. Ou seja, se você quer mudar dia 1, o ideal é começar a procurar após o dia 10. Dificilmente você vai encontrar landlords dispostos a esperar mais de duas semanas pela sua mudança. O mercado aqui é super aquecido, a procura é grande, e time is money. 

Bem, quando você busca um imóvel aqui, precisa dedicar muitas horas para isso e também estar sempre atento. O site que eu mais usei foi o StreetEasy, é o mais famoso da cidade. Dá pra filtrar por número de quartos, valor máximo, se aceita animais de estimação e outros detalhes como lavanderia, elevador, etc . Outro site que gostei muito foi o ApartmentList – você informa os requisitos básicos e ele faz não só uma lista das opções disponíveis, como faz outras listas flexíveis, como: mantenha o seu budget e more em outra região, pague mais e fique na mesma região com todos os requisitos, etc. Ele vai criando várias listas categorizadas e vai atualizando essa lista com novas opções à medida que novos apartamentos ficam disponíveis no mercado.

Na minha opinião, não vale a pena ficar olhando muitos sites ao mesmo tempo. A chance de você ter uma estafa mental é grande. Procurar apartamento aqui pode ser muito overwhelming. Eu foquei só nesses dois sites. Com o StreetEasy, usava o sistema de alertas deles: salvava prédios nos quais eu estava interessada e também pesquisas customizadas. Assim, toda vez que tinha algum update, o site me enviava um e-mail e eu conferia o que tinha de novo. Além disso, você precisa: conhecer um bom negócio quando ele aparece e ser rápido. Foi assim que encontramos o apartamento para onde nos mudamos: recebi um alerta do StreetEasy na terça à noite. Abri o anúncio, gostei da descrição e do preço. O apartamento seria mostrado numa open house ao meio-dia no dia seguinte. Eu contactei a broker para tirar algumas dúvidas e ela me mandou um vídeo do local, que já me deu a certeza de que era exatamente o que buscávamos. Perguntei a ela se haveria chance de ver o apartamento em outro horário, fora da open house, pela manhã. Eu queria ser a primeira a ver, porque teria a chance de mandar a documentação primeiro e ter menos “concorrentes” com a open house. Vimos o apartamento de manhã cedo e decidimos aplicar. Antes do meio-dia, ela já estava com toda nossa documentação em mãos. Aqui, fica outra dica: tenha tudo já escaneado e salvo numa pasta do Google drive: documentos, tax reports, comprovantes de pagamento, etc. Assim, quando algo aparecer, fica mais fácil e rápido para submeter a aplicação.

Outra coisa que é interessante notar é que em Nova York há alguns tipos de prédio: co-op, condo e rental buildings. Um dos apartamentos que mais amamos e que era para o qual provavelmente nos mudaríamos, era um co-op. O processo de aplicação foi demorado e estressante. Isso porque além da análise dos documentos você tem que passar por uma entrevista com o board desse co-op. Além da demora na análise dos documentos, também demoraram para marcar a tal entrevista – e ela é uma etapa essencial para definir se você vai entrar no prédio ou não. Faltavam menos de duas semanas para nós mudarmos e não tínhamos confirmação. Foi quando começamos a considerar outras opções, encontramos nosso atual apartamento e decidimos desistir do outro processo. E ser racional e ter nossa lista de prioridades foi essencial para essa desistência. Estávamos apegados ao apartamento co-op (que era maravilhoso) mas paramos, pensamos e percebemos que o novo apartamento atendia todos os nossos requisitos. Sim, o outro (co-op) tinha características maravilhosas, como terraço, academia e doorman, porém, lembrar que isso nunca tinha sido nossa prioridade foi essencial para desistirmos.

Como descobrir se estou fazendo um bom negócio?

Existem muitas ciladas em termos de prédios e apartamentos em Nova York. Tem coisas que não podem ser previstas – como um vizinho barulhento – mas há outras que você consegue descobrir. Quando eu encontrávamos um potencial aparamento, eu sempre dava um Google no endereço do mesmo para ver se existiam reviews (no Yelp também). Além disso, o site Address Report, é muito bacana para checar endereços: ele mostra relatórios de reclamações, estatísticas de segurança e muito mais. Outra coisa interessante é saber como filtrar reviews: veja sobre o que as pessoas reclamam e se aquilo seria um problema para você. E lembre-se que quando se trata de apartamentos, dificilmente alguém vai investir tempo para escrever um review positivo.

Organizando a mudança

Confesso: mudança causa muita ansiedade em mim (algum ser humano no mundo não se sente assim?). Fazer uma organização prévia foi essencial para deixar esse processo o mais “suave” possível:

  • Checklist: fiz uma planilha e coloquei várias pendências como os locais que eu tinha que atualizar o novo endereço, as empresas que eu tinha que contratar e também o que precisava comprar para o apartamento novo.
  • Correspondências: a USPS tem um serviço de redirecionamento de correspondências e pacotes bem bacana. Por mais que a gente tente atualizar tudo, sempre acaba ficando alguma coisa com o endereço antigo.
  • Limpeza: sabe aquela faxina geral para jogar fora aquele monte de coisa que você não usa mais? De papel a panelas, de roupas a livros? Nós fizemos isso em janeiro, dois meses antes da mudança, já pensando em facilitar o processo de encaixotar as coisas e não ficar fazendo essa faxina no meio das caixas de mudança.
  • Comida: nós começamos a encaixotar tudo cerca de uma semana antes da mudança. Guardamos quase tudo da cozinha, deixamos só o essencial. Por isso, foi importante e facilitador ter algumas comidas prontas e práticas no freezer. Parece besteira, mas ajudou muito!
  • Caixas: alugamos caixas de plástico da Gorilla Bins. Nossa motivação para fazer isso foi para evitar o lixo gerado pelo papelão. Porém, além disso, essas caixas facilitaram demais na hora de empacotar tudo, pois não perdíamos tempo montando caixas e passando fitas.
  • Mudança: contratamos a Elate Moving. São rápidos e eficientes, desmontaram todos os móveis que precisavam ser desmontados e montaram tudo novamente. Nada foi danificado. Uma coisa que eu fiz também foi providenciar uns snacks e deixar disponíveis pra eles no apartamento novo. Foram 6 horas de trabalho e ninguém merece trabalhar com fome. E acho que gentileza gera gentileza.

Espero que as minhas dicas tenham ajudado você que está pensando em mudar de apartamento em Nova York!


Leave a Response