Blog da Laura Peruchi – Tudo sobre Nova York
Diário de viagem

Diário de viagem a Nova York – Camila Castro

O Diário de Viagem é uma seção que traz relatos de leitores do blog. Nesses relatos, eles contam como foi a viagem a Nova York, o que mais gostaram de fazer, o que não gostaram, dividem dicas, enfim: um diário mesmo. A convidada de hoje é a Camila Castro. Ela ficou 8 dias, em junho de 2019. Para conferir mais relatos, clique aqui.

Eu, meu noivo e nosso amigo viajamos para a cidade nas nossas férias, entre os dias 22 de junho 2 de julho. Para montar nosso roteiro, pesquisamos muito no blog e canal da Laura – assistimos aos vídeos praticamente em todos os nossos jantares antes da viagem haha! Essa viagem foi decidida bem em cima da hora: em março compramos ingressos para a Vans Warped Tour (festival de música), que aconteceria em Atlantic City/NJ nos dias 29 e 30 de junho. A partir daí, começamos a pesquisar passagens que incluíssem essas datas e a montar o roteiro para conhecer Nova York. Foi nossa primeira vez na cidade!  A seguir, narro nosso roteiro dia a dia com detalhes e outras considerações que achamos importantes. Espero que ajude quem também vai viajar para Nova York!
1º dia (23/06 – domingo): chegamos em Nova York e fomos direto para nossa hospedagem (Airbnb) no Brooklyn – fizemos o trajeto de Airtrain + metrô. Cada um de nós estava com uma mochila + mala com cerca de 13kg, então foi fácil fazer esse trajeto. Deixamos nossas bagagens na hospedagem e como era nosso único domingo na cidade, fomos conhecer a Smorgasburg (que de domingo acontece no Prospect Park, no Brooklyn mesmo). O parque é lindo e a feira tem muitas opções de comida, fiquei até perdida. Saindo de lá, fomos a caminho da Brooklyn Brewery para tomar uma cerveja e como eram umas 16h já, não conseguimos fazer o tour. Nesse trajeto, acabamos conhecendo o East River State Park em Williamsburg, com uma vista linda do skyline de Manhattan! Descoberta perfeita para o nosso primeiro dia. A noite, fomos até a Times Square, só para ter certeza de que tudo não era um sonho e que estávamos em Nova York mesmo. E nossa, nesse dia tava rolando uma transmissão ao vivo de um cara que estava atravessando os prédios ali em uma corda bamba! Surreal! E a Times estava fechada em alguns locais e abarrotada de gente, então nem conseguimos explorar muito o lugar. Nesse dia eu comi no Maoz, um restaurante vegetariano (que inclusive tem em São Paulo também), bem gostoso e preço ok (cerca de $10).

2º dia (24/06 – segunda): começamos o dia com café + bagel no Dunkin Donuts e partimos para o Central Park – fizemos a parte sul do parque, região onde fica o Imagine (homenagem ao John Lennon). Andamos por ali pela manhã e tiramos fotos lindas nos cenários de Gossip Girl (e tantos outras séries e filmes que se passam em Nova York), e também com os prédios de Manhattan. Depois, fizemos o Museu de História Natural (único museu da nossa viagem, em que a entrada é “pague o quanto quiser”). Nosso desejo era ir ao MET também, mas o valor – $25 – ficou fora do nosso orçamento. E, nessa época, infelizmente, o MoMa estava fechado. Saindo dali fomos ao Rockfeller Center, loja da Lego, Saint Patricks Cathedral, Herald Square e finalizamos o dia no Shake Shack – como eu AMO esse burger e as batatas com queijo. Please come to Brazil haha

3º dia (25/06 – terça): o dia amanheceu um pouco chuvoso e nublado, mas logo o céu foi abrindo. Descemos para Downtown Manhattan e fizemos o Memorial do 11 de setembro (não fizemos o Museu), The Oculus, One World e depois Financial District, com direito a foto e mãos no touro haha! Aproveitamos que o dia abriu para pegar o ferry de graça até Staten Island – e com isso ver a Estátua da Liberdade! Vista bem satisfatória. Ao chegarmos na ilha, passeamos pelo Empire Outlets recém inaugurado (mas beeeem fraquinho ainda, poucas lojas abertas e praticamente nenhuma opção de alimentação – tanto que nem comemos por lá). Depois de mais fotos com o skyline de Manhattan, voltamos pelo Ferry e como ainda tínhamos tempo no dia, decidimos passear pelo Chelsea e fazer o High Line no pôr do sol – rende ótimas fotos! Os letreiros AMOR e LOVE estão ali no High Line, pra quem quiser tirar fotos. Chegamos até o The Vessel já praticamente de noite, mas nesse dia tava rolando um evento fechado no local, então nem conseguimos chegar perto. Para o jantar, eu e meu noivo comemos no Bareburger! Ele é vegetariano (eu sou só entusiasta, mas também amo comida vegetariana), então pedimos algumas opções do cardápio vegano deles (completo e maravilhoso, por sinal). Recomendadíssimo!

4º dia (26/06 – quarta): dia de descer para Coney Island! Eu e meu noivo adoramos píers (saudades Santa Mônica) e era uma parada obrigatória no nosso roteiro. Andamos pelo boardwalk, colocamos nosso pezinhos no mar e fizemos fotos lindas nos parques de diversão! Não andamos em nenhum brinquedo, mas pelo que entendi tem dois parques por ali: o Luna Park (mais icônico) e um outro, que nem lembro o nome haha. Você compra os créditos e vai gastando em cada atração – acho que era 1 pra 1 (1 crédito = $1). E os brinquedos começavam em 7 créditos, pelo que lembro. Almoçamos no Nathan’s (apesar de simples, eu adoro o cachorro-quente americano) e de lá fomos até o Kings Plaza Shopping Center, também no Brooklyn (para ir até ele usamos o ônibus). Lugar loooonge, mas era um dos poucos lugares de compras que queríamos ir basicamente por conta da Primark. Quem já foi pra Europa deve conhecer a loja, que pra mim é a melhor do mundo, desbanca qualquer outra fast fashion. Também fui em outras lojas que queria ir por lá (como Bath and Body Works, Vans, Hot Topic…).  Recomendo o shopping pra quem quiser fazer compras! Comemos no Chipotle e também no Cinnabon (para mim, uma das principais maravilhas da culinária americana haha), Aliás, sobre o Chipotle: acho uma ótima opção de refeição, tem muitas lojas por Nova York. É barato (sempre comia o bowl – o de frango custa uns $9) e o refrigerante é refil. Voltamos para o nosso Airbnb, deixamos as compras e partimos para a Times Square mais uma vez – dessa vez com mais tempo, para explorar as lojas. Amei demais a loja da Disney, tem muita coisa temática de Nova York e estava cheia de produtos do Rei Leão e Toy Story, por conta dos filmes. Finalizamos o dia com a famosa pizza NY style ali pela região mesmo (essa não foi $1, foi uns $5 pra mais haha) – chama Ray’s Pizza.

5º dia (27/06 – quinta): tínhamos colocado esse dia para a região do Chelsea, mas como já tínhamos feito o High Line, mudamos um pouco nosso roteiro. Começamos o dia no Flatiron para fotos e depois nos separamos, já que eu queria ir em várias lojas da região. Fui até a Flying Tiger (achei que fosse ter coisas personalizadas de Nova York, mas não achei nada), Harmon Face Values (paraíso! Fiquei uma hora lá dentro e ficaria mais! Para quem gosta de maquiagem e produtos de beleza, vale muito a pena) e Marshalls, outra parada obrigatória para mim sempre que vou para os Estados Unidos. Almoçamos em um Chipotle lá perto e depois seguimos até Downtown Manhattan novamente porque fomos visitar o escritório do Spotify! Meu noivo tem um conhecido brasileiro que trabalha lá, então marcamos uma horinha para conversar. Não conhecemos muito o escritório, mas só a vista já valeu a pena! Ela fica em um dos prédios do World Trade Center, num andar bem alto. Lindo demais! Saímos de lá desesperados por um sorvete e fomos até a Big Gay Ice Cream – não achei o sorvete nada demais. Parece aqueles de máquina, sabe? Andamos um pouco ali pelo Pier 17 e pegamos o metrô rumo ao Central Park. Como estávamos bem cansados nesse dia, sentados em um dos campos para assistir um treino de baseball (entendo nada haha) e ficamos ali pelo parque até anoitecer.
6º dia (28/06 – sexta): dia de Dumbo! Fomos até a Brooklyn Bridge e atravessamos a ponte a pé. O dia estava lindo e rendeu fotos maravilhosas! Dica boa também é quem procura por ímãs e chaveiros de lembrancinha: logo ali no começo da ponte tem alguns vendedores. Não comprei, mas meu amigo comprou alguns e disse que foi o melhor preço que encontrou. Ao atravessar a ponte, fomos direto para o Dumbo e aquela rua famosa, com a Manhattan Bridge ao fundo, em que todo mundo tira foto. Andamos ali pela “orla” e gente, a vista de lá é surreal de linda! Vale ir até a Pebble Beach e fazer várias fotos com a ponte e o skyline ao fundo. Passamos o Jane’s Carousel e depois seguimos a pé até a Brooklyn Heights Promenade (que até agora não sei se conheci ou não hahaha). Estávamos super cansados e então jogamos no Google um lugar para um brunch/almoço ali por perto: subimos até o bairro e fomos surpreendidos por ruas que pareciam ter saído de filmes! Aquelas casinhas típicas do Brooklyn, muitas árvores…compramos até limonada de umas meninas que estavam vendendo, bem coisa de americano mesmo! Essa limonada foi uma benção naquele dia de calor haha Chegamos até o Clarks Restaurant e eu pedi uma saladona com avocado e batata, um dos pratos mais gostosos que comi nessa viagem. De lá pegamos o metrô e fomos conhecer a Biblioteca Pública de Nova York (achei que aquela sala de estudos, que sempre aparece em filmes, fosse muito maior!). Aproveitei para fazer umas compras na Deciem (The Ordinary) e depois fomos para a Grand Central (outro lugar meio decepcionante, achei que fosse bem maior e mais grandioso haha). Por ali, aproveitei para experimentar o famoso Banana Pudding da Magnolia Bakery. De lá, fomos até a região do Empire State Building, jantamos no Chipotle e voltamos ao nosso Airbnb.

7º e 8º dias (29 e 30/06 – sábado e domingo): dias de Vans Warped Tour! No sábado pela manhã, saímos do Airbnb e pegamos um Lyft até o JFK para retirar o carro alugado. Até Atlantic City, foram quase 3 horas de viagem (com muitos pedágios! Se for fazer essa viagem algum dia, prepare-se para alugar o “Sem Parar” deles – muitas cabines não aceitam dinheiro e nem cartão, você precisa passar direto). Como o festival começava às 12h, já fomos direto ao local. Deixamos o carro em um estacionamento coberto e seguro e fomos curtir o dia. O festival foi na praia, estrutura toda montada na areia, diferente de tudo que já fui. Nesses dois dias, vimos shows do Travie McCoy, Simple Plan, A Day to Remember, Good Charlotte, The Offspring e para fechar, Blink 182. Foi um final de semana intenso e cansativo, mas inesquecível! Uma experiência única de viagem. Sobre nossa hospedagem, ficamos em uma cidade próxima (uns 40 minutos do festival) e basicamente só tomamos banho e dormimos por lá. A casa ficava em uma cidade litorânea e como era férias de verão por lá, estava cheeeeia de estudantes. A casa era bem The Sims, sabe? hahaha com direito a varanda com cadeiras de balanço. Café da manhã nós tomamos em um Wawa ali perto (loja de conveniência que não conhecia, mas adorei).

9º dia (01/07 – segunda): tomamos café da manhã na cidadezinha, em um restaurante típico americano (Shoobies Restaurant) – comi panquecas com morango deliciosas! Depois disso, voltamos para Nova York em nosso último dia inteiro na cidade. Nosso amigo nos deixou no hotel por volta das 14h e ele seguiu viagem para outro show, enquanto nós ficamos por Manhattan nesse dia. Fomos até o The Vessel (mas só tiramos fotos por fora, não tínhamos mais pernas para subir aquele tanto de escada), caminhamos novamente pelo High Line e conhecemos o Chelsea Market. Por lá, tomamos um gelato delicioso! Como estava muito calor, decidimos voltar ao hotel, tomar um banho e aí sim sair pelo nosso último passeio pela cidade. Fomos ao Top of the Strand Rooftop Lounge (indicação da @martasachser, que postou nos stories no dia anterior) e tomamos uma cerveja com vista para o Empire State, uma delícia! De lá, seguimos para a 5ª Avenida para uma última passada nas nossas lojas preferidas, ficamos uns minutos no Bryant Park (tava rolando cinema ao ar livre, lotado de gente) e compramos algumas comidinhas no Whole Foods para comer no hotel.
10º dia (02/07 – terça): tchau NY! Como nosso voo era às 16h35 no JFK, pela manhã arrumamos nossas malas e tomamos um café rápido em um Dunkin Donuts ali perto. Encontramos nosso amigo novamente, devolvemos o carro no aeroporto e seguimos a viagem de volta para o Brasil.
Agora, umas considerações e percepções gerais da viagem:
  • Passagem aérea: fomos de Aerolineas Argentinas (isto é, com conexão em Buenos Aires tanto na ida quanto na volta). Compramos a passagem mais ou menos com um mês de antecedência da viagem – pagamos cerca de R$2.700 por pessoa, já com taxas. Foi o menor valor que encontramos, no Submarino Viagens. Voos noturnos, com saída/chegadas em GRU (em São Paulo), Ezeiza (em Buenos Aires) e JFK (Nova York). Sobre a companhia: pontual, bons aviões, só não gostamos muito da comida servida no voo e também do entretenimento (pouquíssimas opções). Demos sorte de na volta pegarmos um voo mais vazio de Nova York para Buenos Aires, então deu pra dormir em várias cadeiras haha
  • Bagagem: mala de mão com máximo 10kg + 1 bagagem despachada de até 23kg. Foi difícil viajar com apenas uma bagagem despachada, viu? Sobre a imigração em Buenos Aires, é super simples: é só seguir uma placa que diz “passageiros em trânsito” e lá você passa por um guichê para conferir passaporte e logo depois um raio X. Bem rápido.
  • Hospedagem: Como Nova York é uma cidade cara e estávamos em três pessoas, optamos por ficar em Airbnb. Em Nova York (de 23 a 28/06) ficamos no Brooklyn. Pesquisamos bastante no site e decidimos por um apartamento que era bem em frente ao metrô (sim, era só atravessar a rua). E coincidentemente os anfitriões eram brasileiros! Logo na chegada fomos recebidos por uma das anfitriãs já em português. O quarto tinha uma beliche (cama de casal embaixo e solteiro em cima) e banheiro compartilhado com apenas mais um quarto.
  • Minha consideração pós-viagem: nossa hospedagem era muito longe dos principais pontos turísticos da cidade, então perdíamos muito tempo no metrô. Era super cansativo voltar ao final do dia – e voltávamos praticamente sempre depois das 23h. Na hora de montar o roteiro, veja bem qual é o seu objetivo da viagem: se for compras, por exemplo, aconselho ficar em uma hospedagem próxima às lojas, já que você não vai querer ficar carregando as sacolas pela cidade.
  • Em Atlantic City também ficamos num Airbnb – mas dessa vez na cidade de Sea Isle City, a 40 minutos de onde seria o festival. Atlantic City é uma cidade de cassinos e por isso a hospedagem também é bem cara. Alugamos um carro em Nova York e fizemos todo esse trajeto com ele. Na volta de Atlantic City, dias 01 e 02/07, decidimos pegar uma diária em hotel (já que estávamos só eu e meu noivo). Ficamos no Four Points by Sheraton Manhattan Midtown West – gostamos muito! Ele fica a pouquíssimos metros do The Vessel. Super bem localizado e o quarto é ótimo – banheiro maravilhoso!  Prezo muito por bons banheiros

  • Transporte: Em Nova York, usamos somente o metrô e ônibus com o Metrocard – e nossas pernas também, porque andamos muitoooo! Chegamos de Airtrain na Jamaica e logo ali na entrada ficam as máquinas para comprar o cartão. Porém, ali não dava para comprar o Metrocard com o valor para o Airtrain + o ilimitado para 7 dias. Tivemos que ir numa banquinha ali ao lado comprar, por orientação de um guardinha. O Metrocard é fino e leve, praticamente um papel (e não um cartão como nosso Bilhete Único, por exemplo). Então a dica é: cuidado para não perdê-lo! Coisa que aconteceu comigo e com meu amigo na sexta-feira (28). Sorte que era praticamente nosso último dia em Nova York, então gastamos pouco além do planejado.
  • O Google Maps era nosso melhor amigo – fizemos todos os trajetos por ele. Não achei o metrô muito fácil de entender não e realmente as linhas mudam muito, principalmente à noite. Mesmo assim, não nos perdemos nenhum dia. Mas achamos que perdemos muito tempo no metrô. Apesar de andar bastante, a sensação é que os trajetos de metrô eram longos, tudo muito longe.
  • Comida: não era o foco da nossa viagem. Queríamos comer em alguns lugares específicos (que citei no roteiro), mas nada muito caro ou diferente. Mas me arrependo de não ter comido ao menos um cookie ou cheesecake na cidade haha! Calculo no mínimo uns $30 dólares/dia por pessoa para você comer ok na cidade (não comemos em fast food tipo Mc Donald’s, mas também não íamos em restaurantes todos os dias. Comidas rápidas, de mercado, conveniências e farmácias salvam a vida!).
  • Mesma coisa com compras: tínhamos lojas que faziam parte do nosso roteiro e praticamente não fugimos delas. Como se anda muito, é péssimo ficar carregando sacolas de lá pra cá. E não sei o que aconteceu comigo, mas nessa viagem eu converti muito o dólar para real. Já viajei bastante pra fora do Brasil (tanto Estados Unidos quanto Europa), mas dessa vez estava achando tudo caro e ficava com dó de gastar meu dinheiro.
  • De lojas, dicas: Five Below (boa para chocolates e doces – e outras tranqueiras irresistíveis); Target (fomos na do Herald Square e parecia que tinha sido saqueada hahaha muuuita coisa em falta. Apesar disso, eu amo esse mercado).
  • Clima: verão e calor! Pegamos dias lindos de sol e céu azul, mas bastante calor – como se fosse um dia bem quente na cidade de São Paulo. Choveu apenas um dia da nossa viagem, mas bem de manhã, o que nem atrapalhou nosso roteiro. A dica é usar roupas bem leves e confortáveis, tênis nos pés e sempre (sempre!) carregar uma garrafinha de água com você. É fácil achar bebedouros pela cidade (normalmente onde tem banheiro, tem bebedouro) e assim você sempre tem sua garrafinha cheia. Eu amei viajar no verão (fico pensando como é andar uns 15, 20km por dia – distância que nós andávamos – em dias de inverno, com clima gelado, vento no rosto e cheia de roupas no corpo. Acredito ser super desconfortável). E o melhor do verão: o sol se põe lá pelas 20h30, quase 21h – então o dia rende muito!
  • Atrações: não fizemos Broadway (tentamos todos os dias no site da loteria, mas não rolou) e nenhum observatório. Até tentamos ir um dia no Top of The Rock, mas chegamos no final da tarde e já estavam cobrando o valor do pôr do sol, que é mais de $50 – acho o valor absurdo para nós pobres brasileiros que ganhamos em real haha mas não me arrependo não. Vi tantas vistas lindas da cidade, que vão ficar pra sempre na minha memória!
  • Vários restaurantes estavam no meu roteiro e acabaram ficando por lá mesmo haha na correria do dia a dia, pra conhecer o máximo de coisas que der, muitas vezes fica difícil sentar e parar pra comer. Espero voltar um dia para Nova York para ir em todos eles. Também não conseguimos conhecer o Queens e nem alguns pontos do Brooklyn que queria muito (como Bushwick), mas tudo bem, eles se tornam desculpas para uma próxima viagem.

É isso! Peço desculpas pelo textão (amo escrever haha), mas sempre que viajo procuro relatos de outros viajantes e acho super importante detalhar tudo! Ajuda muito na hora de montar roteiro e listar prioridades. Beijos e super obrigada pela ajuda da Laura com o conteúdo sobre a cidade!

Gostaram do relato da Camila? Se você quiser participar, envie seu relato para análise para laura@lauraperuchi.com COM FOTOS, seu nome completo e cidade/estado. LEMBRE-SE que é preciso ser detalhista. Não precisa escrever um livro, mas seu relato tem que ser informativo!


Leave a Response