Diário de viagem

Diário de viagem a Nova York – Isabelle Oliveira

O Diário de Viagem é uma seção que traz relatos de leitores do blog. Nesses relatos, eles contam como foi a viagem a Nova York, o que mais gostaram de fazer, o que não gostaram, dividem dicas, enfim: um diário mesmo. A convidada de hoje é a Isabelle Oliveira. Ela ficou 7 dias na cidade, em outubro de 2018. Para conferir mais relatos, clique aqui.

Olá pessoal! Fiquei em New York de 24 de outubro a 31 de outubro e vim aqui contar minha experiência pra vocês desses sete dias. Peço desculpas pelo textão haha, mas são muitas informações legais pra compartilhar. Primeiramente eu queria dizer que ir para Nova York sempre foi um sonho, que pudemos realizar agora de forma econômica e super hiper planejada, engolindo o blog, o YouTube e o grupo da Laura (muito obrigada Laura) e outros canais também. Planejamento e organização é tudo! Vou pontuar as observações pra ficar mais prático.

Voamos dia 23/10 à noite com a LATAM, passagens compradas com milhas, promo de 24 mil milhas o trecho. O voo foi hiper tranquilo, os alimentos servidos não tinham nada de extraordinários, mas estavam bons, o entretenimento era legal.

Primeiro dia –  Chegamos em NY às 7h da manhã no JFK. A imigração foi super tranquila, só perguntaram o motivo da viagem e quantos dias ficaríamos. Depois, seguimos para o Air Train, meio super fácil e tranquilo de chegar à nossa acomodação, seguimos as dicas da Laura e da Paty e deu tudo super certo. Nossa acomodação era na casa de uma amiga no Queens, mais especificamente em Forest Hills. Não era central, muitos pontos turísticos estavam distantes, mas valeu a pena pela economia que fizemos. E era super tranquilo de caminhar à noite, tinha restaurantes, lanchonetes, Target, farmácias, tudo perto. Recomendo pra quem quer economizar e não se importa de perder 30-40 minutos por trecho pra chegar ao destino.

Clique aqui para conferir quartos e apartamentos de hosts brasileiros.

Depois que nos acomodamos, partimos para o nosso roteiro do primeiro dia, que incluiu Times Square e algumas lojas, Rockefeller Center e seu entorno, e terminamos o dia no Sixty Five Bar, um bar que fica no 65º andar do Rockefeller e nos proporciona uma vista fantástica lá de cima.

Nós queríamos ver a cidade de cima, mas por questão de economia optei por ir em um bar e não a um observatório. Nas minhas leituras, conheci o bar SixtyFive, que fica no mesmo prédio do Top of the Rock, no andar 65, e tem uma vista incrível também. Optamos por lá por não pagar entrada, pagar apenas o consumo. Mas sim, tudo é caro! Porém, um drink para cada ficaria mais barato que o Top e ainda consumiríamos. Claro, não é a mesma vista, mas pra nós foi mais do que suficiente, e muito lindo! Não deixem de ter essa experiência de ver a cidade de cima. Meu marido pediu um vinho (15 dólares) e eu pedi um suco de laranja (10 dólares), haha, pq não bebo nada. Não tinha o suco no cardápio, mas pedi ao Barman e ele me deu o suco. Pagamos 1 dólar de gorjeta por cada drink e ficamos em pé em mesas de apoio admirando a vista. Lá tem uma visão de quase 360 pra cidade, de dentro do bar você consegue ver, mas na parte externa só abriram nesse dia a parte que fica de frente pro Empire, não sei porque, mas foi maravilhoso ainda assim e valeu cada centavo dos nossos 27 dólares para duas pessoas rsrs. Sobre a vestimenta: é um lugar mais arrumadinho, mas meu marido estava com um jeans escuro, um tênis branco e uma jaqueta cinza e foi de boa. Tinha gente bem arrumada e gente mais simples também. Creio que um “esporte fino” seja o ideal. Mas o mais importante: se agasalhem bastante. Faz muito frio. Fomos no fim da tarde para pegar o por do sol e a noite, e esfriou muito lá em cima.

Quer mais dicas para economizar em Nova York? Clique aqui!

Segundo dia – Nesse dia, tiramos a manhã para fazermos compras no mercadol para abastecermos a geladeira e as mochilas. Compramos em um Foodtown lá no Queens e eu achei tudo muito caro. Depois pegamos o metrô e descemos em Roosevelt Island. Não deixem de conhecê-la, além do passeio de teleférico, que por si só é maravilhoso, a ilha em si é bem agradável. Dá pra ter uma vista linda de Manhattan e Long Island City. Na volta pegamos o famoso teleférico e descemos em Manhattan. Dalí fomos andando até o Columbus Circle, apreciando os prédios e o entorno do Central Park. No maps parecia distante, mas chegou muito rápido e nem cansamos. Do Columbus Circle seguimos para o Battery Park, onde pegamos o Staten Island Ferry, embarcação gratuita que liga Manhattan à Staten Island passando em frente à Estátua da Liberdade a uma distância razoável e uma linda vista do skyline de Manhattan. Fizemos esse passeio do ferry ao anoitecer para vermos o por do sol, a estátua iluminada e o skyline de dia na ida e de noite na volta. Foi maravilhoso. A vista da estátua não é lá essas coisas, mas o passeio compensa muito.

Saiba mais sobre o passeio pela Roosevelt Island! 

Terceiro dia – Nesse dia, descansamos pela manhã e só saímos à tarde para conhecer a região do Brooklyn e a Times Square à noite. Fizemos a travessia da ponte do Brooklyn a pé, com muitas pausas para fotos, caminhada super agradável. A ponte é linda, a vista é perfeita. Ao sair da ponte, seguimos o fluxo e demos de cara com a famosa paisagem da Manhattan Bridge. Depois. chegamos ao Dumbo, que com certeza foi uma das minhas regiões preferidas na cidade. Seguindo as dicas da Laura, subimos no Cecconi’s, um restaurante que fica em um prédio que parece o Coliseu. Recomendo a vista do por do sol e o anoitecer. Depois. seguimos para Times Square, que é ainda mais interessante à noite. Ah, dá pra comprar souvenir barato no começo da travessia da ponte! Não encontrei ímã mais barato nem em Chinatown.

Confira dicas do que fazer no Brooklyn Bridge Park + Dumbo

Quarto dia – Infelizmente pegamos um dia inteirinho de chuva e com muito vento, do tipo que destruiu o guarda-chuva e fez muito frio. Então, eu ajustei o roteiro e coloquei pra esse dia atrações cobertas. Dias de chuva são perfeitos para museus, mas nós só iríamos ao Museu de História Natural, que estava fechado pra uma festa de Halloween infantil, então, fomos na Biblioteca Pública, na Grand Central Station, subimos para o Upper West Side e fomos na St John Cathedral, e depois fomos em uma Dollar Tree da rua St. Nicholas.

As lojas da Dollar Tree são maravilhosas pelo preço, tudo a um dólar, mas essa particularmente estava bem bagunçada e com pouca variedade. Mas, mesmo assim, fizemos uma economia muito grande. Para quem busca economia, vale a pena escolher uma outra Dollar Tree em Nova York e ir. Um exemplo de uma grande economia que fizemos lá: compramos ingredientes pra montar cachorro quente e levar na mochila. Éramos 4 pessoas. Gastamos coisa de 4 dólares com todos os ingredientes de 8 cachorros, deu 2 cachorros deliciosos pra cada e economizamos muito. Nas bancas de rua, o cachorro mais barato é 3 dólares cada, só o pão seco com a salsicha hahaha.. então foi uma delícia super econômica. Na Dollar Tree tem também acessórios, esse cachecol de oncinha que uso nas fotos é de lá e custou 1 dólar rsrs, e tinha muitos outros. Não é nada de tanta qualidade né povo, mas dá uma gracinha no look rsrs.

Quinto dia – O dia amanheceu lindo, nada de chuva. Fomos ao Museu de História Natural e depois Central Park e Quinta Avenida. O museu é maravilhoso e enorme, ficamos lá umas duas horas corridas pois não tínhamos muito tempo. Depois, fomos na Levain Bakery que tem lá perto, comprar os cookies maravilhosos de lá pra comer no Central Park.

Falando em Central Park, que parque maravilhoso gente! Infelizmente tínhamos pouco tempo e não pudemos dedicar tanto tempo assim. Colocamos os pontos que queríamos no maps e fomos seguindo. Percorremos uns 10km andando por lá que renderam muitas fotos lindas. Fomos do Memorial a John Lenon ao Met, depois Alice, Model Boat Sailing, The Lake, Bethesda Fountain, The Mall, Central Park Zoo e saimos pela 59st com a 5av. Eu ficaria lá o dia inteiro! Pena que só tivemos uma manhã, mas deu para pra aproveitar e conhecer muita coisa. Nós iríamos alugar bike, que ao meu ver é o melhor jeito de conhecer mais do parque, mas eu estou com problema no joelho e não podia pedalar. As cores amareladas/avermelhadas dessa época são a coisa mais linda!

Depois do Central Park fomos descendo a Quinta e a Sexta Ave, passando pelo Plaza Hotel, Apple de vidro (que estava em manutenção), Love, Moma, St Patrick’s Cathedral, lojas, até chegar na área do Rockefeller novamente, onde encerramos o dia.

Confira um guia para explorar o Central Park!

Sexto dia – Nesse dia fomos ver o Empire State de perto (não subimos) e lá próximo pegamos um ônibus que percorria a Quinta Avenida para descermos na Washington Square, praça onde tem um arco do triunfo e é a região da NYU, faculdade famosa de NY. Posteriormente fomos passear em Chinatown e Little Italy. Confesso que não gostei muito e achei bem bagunçado e dispensável, não gastamos muito tempo lá não, mas fizemos bons negócios comprando souvenirs, podem pechinchar que dá certo RS. Ah! Um local bonito pra tirar foto lá eh no final da Canal Street, um arco triunfal do começo da ponte de Manhattan (dica da Laura).

Em seguida partimos pro Chelsea Market e depois pro High Line, que fica ao lado. Sobre o High Line: achei até interessante, mas bem contramão e não achei tão atrativo assim não. Na minha opinião, vale conhecer se tiver mais tempo, mas gastamos um tempão indo pra lá que eu poderia gastar mais no Central Park, por exemplo rs.

Sétimo dia – No nosso último dia de turismo na cidade fomos à região de Downtown. Começamos o dia enfrentando a fila para fazer o passeio de barco que desce na Estátua da Liberdade. Em plena terça, nos primeiros horários da manhã, ficamos umas 2h na fila, morrendo de frio rs. Mas valeu muito a pena! Amei a experiência de ter ido ate a Estátua, a viagem não teria sido completa pra mim se eu tivesse visto o maior ícone da cidade apenas da distancia do ferry grátis (mas isso vai do gosto de cada um). Também gostamos do restaurante que tem na ilha da Estátua, comida boa e barata para os padrões de NY. Depois descemos na Ellis Island, onde fica o museu da imigração. Muita gente opta por não descer lá, mas eu achei que super valeu a pena.

Na volta do passeio, percorremos a região de Downtown: touro, Wall Street, Trinity, One World, Oculus e Memorial do 11 de setembro. Queriamos muito ter conseguido entrar no museu na entrada grátis que eles oferecem nas terças, mas já estava encerrado. De qualquer forma, o memorial é gratis e por si só já é bastante triste e tocante.

Dia da partida – Dia de dar “ate logo” pra essa cidade maravilhosa e embarcar para Orlando. Fomos para o aeroporto de Newark pegar o aviao da Spirit. O meio de transporte que usamos foi um Shuttle que pegamos em frente ao Bryant Park, que foi 17 dólares por pessoa e fomos com conforto e tranquilidade ate nosso portão no aeroporto. Não quisemos pegar transfer pois estava além do nosso orçamento.

Como ir do aeroporto para o hotel? Veja todas as opções, de todos os aeroportos!

Sobre nossa alimentação durante a viagem: estávamos em casa, então compramos coisas para cozinhar. Mas gente, supermercado é coisa cara em Nova York comparado ao Brasil. Não esqueço mais dos 12 reais que paguei numa latinha de creme de leite da Nestlé que aqui é 3/4 hahaha. Mas, ainda assim, compensou fazer as compras. Mas também comemos muito na rua. Comemos nas barraquinhas de rua, no Shake Shack, no Five Guys, na Levain Bakery, comemos muita fatia de pizza de 1 dólar rsrs, comemos em redes.. e enfim, não fomos em nenhum restaurante caro. Quando comíamos comida, era em casa. Outra super economia.

E é isso gente, no mais fizemos aqueles passeios clássicos de Nova York e conhecemos muita muita coisa.. dos lugares mais tradicionais a outros nem tanto, mas que fizemos questão. Foi uma experiência incrível e já estou planejando a viagem de 2019!

Quer mais dicas para economizar em Nova York? Clique aqui!

Conheça os supermercados de Nova York

Obrigada pelo seu relato,  Isabelle!

Gostaram do relato da Isabelle? Se você quiser participar, envie seu relato para análise para laura@lauraperuchi.com COM FOTOS, seu nome completo e cidade/estado. LEMBRE-SE que é preciso ser detalhista. Não precisa escrever um livro, mas seu relato tem que ser informativo!


Leave a Response