turismoviagem

Kykuit – a residência dos Rockefeller em upstate NY

Vocês sabem que eu adoro conhecer lugares diferentes, inusitados e fora da rota turística óbvia aqui em Nova York, né? E eu adoro explorar as áreas fora da cidade de Nova York – mas que são relativamente perto para conhecer em um dia. Uma das minhas metas para essa temporada outono/inverno é conhecer atrações e cidades em Upstate New York – traduzindo, a região norte do estado de Nova York. No último domingo, fomos visitar Kykuit, a residência da família Rockefeller, que fica na cidade de Sleepy Hollow. Pelo local, passaram quatro gerações da família, começado com o filantropista John D. Rockefeller, fundador da Standard Oil. Seus negócios fizeram dele o homem mais rico dos Estados Unidos. A residência – bem como seus jardins – fazem parte do National Trust for Historic Preservation, e vem sido mantida por mais de 100 anos.

O tour começa com o transporte de ônibus que sai do Visitor Center e segue até Kykuit, que fica numa área elevada da cidade. Um áudio (em inglês) já faz uma introdução de como a casa foi construída e outros detalhes. O caminho até lá já é de tirar o fôlego: a cidade tem um ar super interiorano e a paisagem em tons laranja e marrom é uma coisa maravilhosa. A residência tem uma área verde enorme – incluindo campos de golfe e esculturas similares às disponíveis no Storm King Sculpture Park. O ônibus nos deixa em frente à residência, onde o tour começa. A guia explica vários fatos e curiosidades interessantes: todos os detalhes do local têm algum significado.

O tour passa por vários cômodos da casa – não é permitido tirar fotos lá dentro. A família apreciava muito as artes em geral e isso pode ser percebido pelas telas e esculturas – de diferentes origens e estilo – espalhadas pelos vários cômodos da casa. Muitas das peças da coleção da família foram para o Metropolitan Museum – mas a residência ainda continua com um acervo impecável. No porão, há uma verdadeira galeria de arte, com um número maior de telas e esculturas. Os artistas representados incluem Pablo Picasso, Henry Moore, Alexander Calder, Louise Nevelson, e David Smith, entre muitos outros. O celeiro, com uma coleção de automóveis clássicos e carruagens puxadas por cavalos, também faz parte da experiência do tour.

Não minto que eu estava mais ansiosa pelos jardins. Como a residência fica numa área elevada, há uma vista maravilhosa para o Hudson River, esculturas e a paisagem de outono, de tirar o fôlego. Preciso confessar que visitar a casa dos Rockefeller me fez lembrar muito do Palácio de Versalhes, na França – só que com bem menos ostentação. A guia explicou que, para o padrão da época, a família era muito simples. Também foi bacana saber mais sobre a questão filantrópica e como eles incentivavam novos artistas comprando suas telas. Infelizmente, choveu enquanto estávamos lá, o que nos impediu de fazer uma das últimas partes do tour, que passava por uma área bem bacana dos jardins. Mesmo assim, deu pra contemplar boa parte do visual. A guia que nos acompanhou falou que o local também fica muito bonito durante a primavera.

Como chegar? De trem, da Metro-North. Os trens partem da Grand Central e também da estação 125th Street, no Harlem. Você compra o ticket nas máquinas de auto atendimento e escolhe “Round trip” (ida e volta) e o destino final é TarryTown. O preço do ticket varia conforme o horário. No nosso caso, era um domingo, off peak (fora do horário de pico) e os tickets custaram U$20 por pessoa, ida e volta. Cheque no painel as informações sobre os trens para saber em qual track você deve esperar. Guarde o ticket com você, pois um funcionário confere durante o trajeto. Saímos do Harlem às 12:54 e chegamos em Tarrytown às 13:20. Muito rápido, não? O trajeto passa à beira do Hudson River – e, vale avisar, a vista é incrível. Ao chegar em Tarrytown, havia vários táxis já esperando na área. Da estação de trem até o Visitor Center são cerca de 5 minutos e a corrida custa de U$8 a U$10.

Tours – é possível conhecer Kykuit por meio de um dos vários tours oferecidos. Nós escolhemos o Classic Tour, que é ideal para quem está visitando o lugar pela primeira vez – veja todas as opções aqui. Custa U$25 em dias de semana e U$28 (de sexta a domingo). Recomendo comprar seu ticket com antecedência através do site oficial. Nós compramos ingressos para o tour das 14:30 – e a visita levou cerca de 2 horas e meia (tudo em inglês). Chegamos no Visitor Center com bastante antecedência e nos dirigimos ao balcão para pegar nossos ingressos – você recebe um adesivo com a data e horário do seu tour. É informado no auto-falante quando o ônibus estiver esperando. Importante: você pode apresentar seu ticket do trem para ganhar um desconto de U$5 no ingresso de Kykuit. Como compramos com cartão de crédito, a atendente fez um extorno. Na volta, você pode pedir um táxi do Visitor Center para ir até a estação de trem – eles tem vários telefones de empresas.

Funcionamento: Kykuit não abre o ano todo. A temporada começa no início de maio e vai até meados de novembro. Neste ano, por exemplo, o último dia de funcionamento é dia 13. De maio a setembro e também em novembro, Kykuit abre de quinta a domingo. Em outubro, abre todos os dias.

Informações importantes: não é permitido comer em Kykuit – você só pode beber água. Também não há lugar para comer – só há um café no Visitor Center. Mas a cidade tem alguns restaurantes. Nossa intenção era comer em algum deles depois do tour, mas como pegamos chuva e estávamos muito molhados, resolvemos voltar para casa. Como mencionei anteriormente, não é possível fotografar o interior da casa. Também vale lembrar que você só pode visitar o local através de um dos tours e ninguém tem permissão de andar sozinho pela propriedade. Esse fato, particularmente, me frustrou, porque tive muita vontade de caminhar por toda a propriedade, é lindo demais! Mesmo assim, adorei conhecer Kykuit e fiquei curiosa para conferir o local na primavera. Também não achei que foi um passeio longo – saímos de casa ao meio-dia e estávamos de volta antes das 19 horas. Um último detalhe: observe as restrições de idade para cada tour. No que fizemos, por exemplo, carrinhos de bebê não são permitidos. No Grand Tour, crianças menores de 5 anos não podem participar.

Gostaram do post? Uma ótima sugestão para um passeio nada convencional em Nova York!


1 comentário

  1. Num dos programas do Canal Globosat revelou este lugar e fiquei encantada, vim correndo aqui no blog pra ver se a Laura já tinha escrito sobre, e (para minha “não surpresa”)… já! Falo isso, porque achei esse passeio a cara da Laura rs. Também fui no site pra ter informações de preço, infelizmente, na época que eu vou – fevereiro – não estará aberto. Já será um dos destinos pra próxima vez em Nova York. As fotos ficaram lindas. Beijos Laura.

Leave a Response