NYCviagem

Minha viagem para Buenos Aires

Hola chicas!

Como vocês devem ter percebido, estive um pouco “off” da internet – e, consequentemente do blog – nos últimos dias. Isso porque, como disse ontem, estava viajando. Eu e meu namorado fomos conhecer Buenos Aires, Argentina. Depois de sofrer de ansiedade até praticamente os 45 minutos do segundo tempo (viajei no sábado e só tive confirmação na sexta à tardinha, devido às cinzas do vulcão chileno), pudemos ver de perto a cidade dos nossos “hermanos”. Vou falar um pouco da nossa experiência por lá e dar algumas dicas para quem pretende visitar a cidade algum dia.

Caminito.

A cidade é muito grande – o que encanta quem, como eu, vive num lugar de 95 mil habitantes. A arquitetura é maravilhosa. Há muitos prédios antigos que são um show à parte. O trânsito é movimentado, mas não vi nada caótico como no Brasil. Existem alguns horários de pico, mas não vi engarrafamentos. O estranho são os semáforos para pedestres, que demoram muito para abrir e permanecem livres por pouquíssimo tempo.

Faculdade de Direito.
Casa Rosada.

Falando em trânsito… lembrei dos táxis. Lá, esse serviço é muito barato. Corridas que aqui no Brasil chegariam a R$50 lá custam cerca de R$15. E pegar um táxi é muito fácil. Há muitos, muitos na rua. Outro transporte que é muito barato é o metrô. Para vocês terem noção, andamos de graça. Explico: durante a troca de pessoas no caixa, eles abrem o portão. Mas, caso você não pegue o metrô nesse horário, o valor é muito barato também: $1,10 (pesos), menos de 50 centavos de real.

Já que o assunto é dinheiro, vale a pena ressaltar um ponto: o peso, comparado ao real, tem um valor baixo. Ou seja, nossa moeda fica super valorizada. A dica é: não troque seus reais no Brasil, tampouco nas casas de câmbio do aeroporto. Procure o Banco de La Nación Argentina, que tem uma agência 24 horas no aeroporto. Enquanto as casas de câmbio pagam $2,15 pesos para cada real, esse banco paga $2,48. Acreditem: com um bom montante de real, esses centavos fazem toda a diferença.

Puerto Madero.

A comida argentina é singular. O que me chamou a atenção – e desagradou a maioria dos brasileiros com quem conversamos – foi o fato de ela ter pouco tempero e pouco sal. Até as carnes. Particularmente, até que tivemos sorte com os pratos que escolhemos (cordeiro patagônico, que saudades de você): eram saborosos e com preços justos. Mas, é bom deixar claro que lá predomina o sistema a la carte – nada de comida a quilo. E também é preciso escolher os pratos separadamente (entradas, prato principal, sobremesa). Nada de alaminuta. Mesmo assim, as refeições não são caras. Dependendo do que você pedir, gastará de 15 a 30 reais.

Entre os dias que ficamos na cidade (noite de sábado até noite de terça) fez muito frio. De cortar o coração. Felizmente, todo lugar que você frequenta (cafés, lojas, restaurantes) possui sistema de aquecimento, o que torna o ambiente super agradável – cheguei a passar calor em alguns locais. Vale lembrar que os argentinos são simpáticos sim, tentam te ajudar e alguns até arriscam palavras em português, resultando no famoso “Portunhol”.

Tango! haha

Sobre os locais a serem visitados… são muitos. E aproveito para deixar uma dica: três dias não são suficientes para desfrutar de tudo. Gostaria de ter ficado, pelo menos, mais dois dias. Deu para visitar Puerto Madero (bairro onde estava nosso hotel), Caminito (das casinhas coloridas), a Casa Rosada (sede do governo), Estádio do Boca Juniors (que fica numa região um pouco perigosa), Palermo (bairro com muitas lojas e outlets)… e, claro, também não deixamos de assistir a um show de tango. Um espetáculo, diga-se de passagem.

Estádio do Boca.

Quanto às comprinhas, vamos lá. Muitos ficam empolgados com a existência de Outlets da Adidas, Nike, Lacoste e outras marcas famosas. Não achei os preços convidativos. A não ser para aqueles que já costumam compram marcas como essas. Mas, para mim, ainda é caro. A lã por lá é muito barata. Comprei blusas e casacos por cerca de R$60 que aqui no Brasil não sairiam por menos de R$100, R$150. Comprei um casaco mais grosso por R$150 que custaria, no mínimo, o dobro por aqui. Quanto a couros, muitos disseram que os preços estavam bons. Mas, como eu não costumo comprar esse tipo de peça, não tinha referência. O casaco de couro mais barato que eu vi custava 650 pesos (R$260).

A dica para quem quer comprar é: não vá aos locais destinados aos turistas. Você tem que ir onde os argentinos vão. Ou seja, a tal da Calle Florida não é tudo aquilo em relação a preço. Nesse local, só comprei lenços, que estavam baratos.

Passeador de cachorros.

Quanto a cosméticos, há em Buenos Aires uma rede de farmácias chamada FarmaCity. Existem várias lojas dessa rede pela cidade (são muitas, mesmo!). Nessas farmácias, é possível encontrar produtos de diversas marcas como Maybelline, L’oreal, Vichy, Revlon… achei os preços muito bons. Comprei uma base da Maybelline (que não existe no Brasil) por R$25. E um creme da Vichy por R$40 (o mesmo creme, aqui, custa R$60).

Já o Free Shop é uma tentação. Enorme e com muitas variedades. Nem olhei preços de perfumes porque estou com muitos frascos a serem usados. Mas cremes da Clinique e Victoria’s Secrets, maquiagens da Revlon, chocolates, tinham preços bons também.

Também não posso deixar de falar do tradicional alfajor da Argentina. A Havana tem lojas espalhadas pela cidade inteira (e um chocolate quente delicioso). Ai, que saudade…

Outra coisa: se você acha que vê muitos argentinos por aqui no verão… é porque não viu a quantidade de brasileiros em Buenos Aires no inverno… são muitos! E todos que encontramos tinham esse nosso jeito caloroso, alegre, conversador, dispostos a ajudar. Deixo aqui registrados os meus cumprimentos ao Vinicius, Patricia, Diego, Nancy, Eduardo e Maria Fernanda.

Brasileiros.

Por fim, fica o meu conselho: se vocês têm vontade de viajar para o exterior (seja Buenos Aires ou Paris, Londres ou Nova York), vá! Hoje não é mais tão caro viajar… as companhias aéreas e as agências de viagem fazem promoções com muita frequência. Sair do país, conhecer novas culturas, novos lugares… é renovador. Proporciona novas perspectivas, abre sua mente para um mundo novo… Como disse o brasileiro que conhecemos lá, Vinicius Teles, citando um autor: o mundo é um livro, e quem não viaja lê apenas uma página.

Beijos!

PS: se tiverem mais dúvidas, é só perguntar =)

Update: através do comentário da Cintia, percebi que esqueci de falar do estilo das argentinas. Bom, o frio era grande, então, na rua, você via muitos casacões e leggings. Aliás, muitas leggings estampadas, que elas usam sem vergonha de ser feliz. Algo que me chamou a atenção foi o modo como elas arrumam o cabelo. Prendem de vários jeitos diferentes que fica lindo. Outra coisa: são esbeltas. Não vi nenhuma que não fosse magra. Dizem que eles prezam muito pela alimentação balanceada.


17 Comentários

  1. Ainnnn, o casaco de couro tava muito BARATO! E as peças de lã também. Adorei tudo, as fotos estão lindas, o máximo. Mas me conta: vocês aprenderam tango ou não? E o povo, chiquérrimo? Quero saber detalhes depois. Beijoca!

  2. Laura que delicia

    eu conheci Buenos aires há uns 3 anos atrás…
    ai mto lindo
    quanto ao penteado dos cabelos das chilenas..tb reparei nisso… prendem com grampinhos neh?
    ahh e os brincos de perolas? vc reparou?
    eu ate comprei um lá de tanto ver as moçoilas usando rs
    mil beijinhos
    kammy

  3. Aaaaaaaaaah não tinha dado tempo de dar uma espiadinha aqui aindaaaaaa que lindas as fotos, Laura!!! E que romântica aquela foto com teu namor à noite! Ai amei! Tenho muita vontade de conhecer e agora quero ainda mais heheheh!
    Show guria, beijoca :o)

  4. Oi Laura, tudo bem? Eu vou pra BsAs agora em julho e queria que voce me ajudasse com algumas dicas.. Por exemplo, você falou que é melhor ir aonde os Argentinos vão (em relação à compras), aonde você achou um bom preço?? E quais roupas você me indica pra levar pra lá? É a primeira vez que vou a BsAs e não sei se as roupas que separei estarão adequadas ao clima de lá… Obrigada!

  5. Lauraaaaaaa

    Com certeza a companhia de vocês fez toda a diferença…

    Juntou você e o Dudu ninguém segura..aliás..PELÉÉÉÉ hahahaha
    Ficamos lembrando e se matando de rir…

    Saudades já..Adorei conhecer vocês..

    A foto de vocês em Puerto Madero está SENSACIONAL..

    Adorei o blog viu

    Beijinhosss

    Maria Fernanda

  6. Olá Bruna! Então… achei um bom preço em Palermo, tem muitas lãs baratas lá. Na calle florida, os lenços que são vendidos no calçadão são super baratos. E cosméticos na Farmacity. Eu levei blusão de lã, e usava com uma blusinha fina por baixo… é bom levar cachecol também. E leve tênis, pois vc vai andar mto. Qualquer dúvida é só perguntar. Beijos!

  7. Oie Laura.
    Gostei muito de suas dicas. Vou me acabar no havana kkk. Então aonde é interessante fazer compras, aonde os argentinos compram?
    Vou para lá dia 4/7 e volto dia 9/7. Dá para conhecer bastante coisa né?
    Abraços
    Jaqueline

  8. Oi querida, então, no bairro Palermo, que tem outlets e roupas que vendem lã. Foi lá que comprei. E também na Farmacity. Vc também pode pedir dicas pro pessoal do hotel, perguntar onde os argentinos compram, que eles falam. Mas vale olhar a florida também. Beijinhos!

  9. Oi Laura, procurando textos sobre viagens, encontrei teu blog. Moro na Argentina desde junho/2010 e vc fez um belo recorrido pela cidade.
    Morei em Buenos aires até 31 de junho e agora mudei pra Bahia Blanca. Deixo a dica pras leitoras do teu blog, para não deixarem de conhecer o Bairro Las Cañitas:

    http://www.barriolascanitas.com.ar/

    Lá tem muitas opções de restaurantes e cozinha internacional, bares dos mais variados tipos e é super lindinho!

    Vale a pena um giro por lá!

    Beijos e nos falamos

    Kelly
    (http://pokernacozinha.blogspot.com.br)

Leave a Response